sexta-feira, novembro 29


Com qual personagem de South Park voce mais se parece??



A Coca-Cola, mais que um produto, é uma filosofia de vida

quinta-feira, novembro 28

Porque todo cara bacana tem uma namorada que é uma mala?

E por falar em saudade onde anda você
Onde andam seus olhos que a gente não vê
Onde anda esse corpo que me deixou morto de tanto prazer

E por falar em beleza onde anda a canção
Que se ouvia nas noites dos bares de então
Onde a gente ficava onde a gente se amava em total solidão

Hoje eu saio na noite vazia numa boemia sem razão de ser
Na rotina dos bares que apesar dos pesares me trazem você

E por falar em paixão em razão de viver
Você bem que podia me aparecer
Nestes mesmos lugares na noite nos bares
Onde anda você
Vinicius

"A simples menção do nome dele ainda me faz tremer"

quarta-feira, novembro 27

A Angela lá do bloggete outro dia, estava questionando sobre o sumiço do pequinês e da Caloi 10 e eu fiquei aqui, pensando sobre alguns sumiços e coisas de antigamente, por exemplo:
São paulo não é mais a terra da garoa, pois não garoa mais em São paulo, temos somente pancadas de chuva, vai ver é o reflexo da cidade.
Outro exemplo é o soluço e suas soluções "infalíveis", tipo tomar nove goles d´agua de uma vez só, assim, sem respirar, alguém aí sabe de alguém que ainda soluça?
Casas e apartamentos hoje em dia só tem suítes, alguém pode me dizer o que aconteceu com os banheiros de antigamente de chão vermelho e azuleijos e banheira branca e que cabiam toda a família?
E as obturações que não caem mais, antigamente, vira e mexe alguém saia correndo do trabalho pro dentista porque a obturação tinha caído,
Os telefones não são mais pretos e nem cremes e sim roxos, isso mesmo, roxos e verdes neón
Os comunistas não comem mais criancinhas e sim, querem comer a Gisele Bündchen
Nunca mais ouvi dizer que alguém tá caduco ou é um Pedro Bó, as pessoas hoje em dia tem Mal de Alzheimer ou são umas antas
E a Sandra Sá, Jorge Ben e a simplesmente Marina? Faziam muito mais sucesso antigamente
Tiraram até a cafeína do café e o THC da maconha, onde já se viu!
Futebol de salão que virou futsal, pra quê?
As geladeiras também, hoje em dia não são mais brancas e nem as cuecas
Só o Caetano não mudou ele sempre achou e continua achando tudo muito lindo e maravilhoso
É Angelinha...

terça-feira, novembro 26

Depois de 40 minutos conversando com um hóspede adolescente que veio de Recife especialmente para o show do Rush, e eu explicando que sou fâ incondicional do banda, mas não fui ao show por motivos de trabalho e yari-yara... ele conclui:
- Vélho, ceis paulistas são tudu doidão. Fica a vida inteira esperando o show dos caras, os caras vem na tua cidade e cê não vai no show porque trabalhou e tava muuuito cansada. Bora pra Recife mulé, ser feliz

segunda-feira, novembro 25


Dia Internacional do Doador Voluntário de Sangue
Derramei meu sangue em cada pedra da grande pirâmide. E pequenino ainda sob os golpes de um imperador cruel derramei o meu sangue em Belém e em todas as aldeias da Judéia - derramei-o quando me coroaram rei dos Judeus e derramei-o na cruz em meu último suspiro!

Eu derramei meu sangue nas arenas em Roma - milhares de vezes; milhares de vezes derramei o sangue de meus inimigos.

Eu derramei o sangue de meus inimigos em Waterloo e Sebastopol - Paris e Hamburgo - Nagasaki e Hiroshima.

Derramei o sangue de meus inimigos na Torre de Londre, na Bastilha e Alcatraz, nos parques, nas ruas e vilas. Mil vezes eu derramei o sangue de meus inimigos nos patíbulos e cadafalsos - mil vezes eu fui carrasco, mil vezes eu fui sentenciado - à guilhotina, à forca e à cadeira elétrica...

Eu derramei meu sangue em guerras torpes e guerras santas, em todas as cidades - em todos os bosques - nas estradas, vales, montes e rios.

Eu derramei meu sangue desde as Termópilas no Sinai.

E pelo meu sangue e pelo sangue de meus inimigos fazemos histórias em todas as partes - e em todas as partes construimos estátuas, bandeiras, dias de glória e discursamos belos discursos - e eu bem me lembro do de Getsburg.

Eu fui guerreiro de derramar o meu sangue e de meus inimigos nas guerras de conquista e de reconquista.

Para reconquistar o santo sepulcro eu reuni muitas nações e para conquistar o tesouro dos incas eu destrui muitas nações.

Para expulsar Maximiliano do México, para empossar Hitler na terra dos arianos.

Tenho lavado em sangue a minha honra - empossado em sangue os estandartes de liberdade e fraternidade - e em sangue eu renovo minha fé no criador.

Agora basta!

Eu doarei meu sangue nos hospitais, nas Santa Casas, nas tendas e Pronto-Socorros. Doarei meu sangue para meus amigos e inimigos, para crianças e velhos - homens e mulheres.

Doarei meu sangue para reter uma lágrima que seja; doarei para ulcerosos, para tuberculosos, cancerosos, leucêmicos e aidéticos - porque eu sei que uma gota de meu sangue significará sempre uma lágrima a menos.

Claudia Sanchez Morasco



domingo, novembro 24

Quando a gente for embora
Vão ficar por esses copos
As marcas de nossas bocas
Nos lençóis de nossos corpos
Sua voz um pouco mais rouca
Presença do nosso cheiro
Nos espelhos, no banheiro
Nossos retrados pintados
Nossos pecados gravados
Nesse confissionário

E o que é que eu faço lá fora
Quando acabar meus cigarros
Quando o barulho dos carros
Cidade, trabalho, pessoas
Vir em mim só mais um a mulher
Vulgar, normal, coisa á toa
Depois de sentir o gozo
De alguns minutos no céu
Ter que voltar ao papel
De humano, ser mentiroso