sábado, janeiro 25

Veja aqui o vídeo clip número um nas paradas de Cabul.

cara do publicitário que criou o super 15

Sinalizações pelo mundo




















Hoje é aniversário de São Paulo, e o meu também, e como sempre peguei carona na festa da cidade, hoje não seria diferente
PARABÉNS SAMPA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

São Paulo São Paulo (Preme)


É sempre lindo andar
na cidade de São Paulo.
O clima engana, a vida é grana
em São Paulo.
A japonesa loura,
a nordestina moura de São Paulo.
Gatinhas punks,
um jeito yankee de São Paulo.
Na grande cidade me realizar
morando num BNH na periferia.
A fábrica escurece o dia.
Não vá se incomodar
com a fauna urbana de São Paulo.
Pardais, baratas,
ratos na rota de São Paulo.
E prá você criança
muita diversão em São Paulo.
Tomar um banho no Tietê,
ou ver TV.
Prá quebrar a rotina
num fim de semana em São Paulo,
lavar um carro,
comendo um churro,
é bom prá burro.
Um ponto de partida
prá subir na vida em São Paulo,
Terraço Itália
Jaraguá ou Viaduto do Chá.



SAMPA (Caetano Veloso)
Alguma coisa acontece no meu coração
Que só quando cruza a Ipiranga com a avenida São João
É que quando eu cheguei por aqui eu nada entendi
Da dura poesia concreta de tuas esquinas
Da deselegância discreta de tuas meninas
Ainda não havia para mim Rita Lee, a tua mais completa tradução
Alguma coisa acontece no meu coração
Que só quando cruza a Ipiranga e a avenida São João
Quando eu te encarei frente a frente não vi o meu rosto
Chamei de mau gosto o que vi, de mau gosto o mau gosto
É que Narciso acha feio o que não é espelho
E a mente apavora o que ainda não é mesmo velho
Nada do que não era antes quando não somos mutantes
E foste um difícil começo, afasta o que não conheço
E quem vem de outro sonho feliz de cidade
Aprende depressa a chamar-te de realidade
Porque és o avesso do avesso do avesso do avesso
Do povo oprimido nas filas, nas vilas, favelas
Da força da grana que ergue e destrói coisas belas
Da feia fumaça que sobe apagando as estrelas
Eu vejo surgir teus poetas e campos e espaços
Tuas oficinas de florestas, teus deuses da chuva
Panaméricas de áfricas utópicas, túmulo do samba
Mais possível novo quilombo de Zumbi
E os novos baianos passeiam na tua garoa
E os novos baianos te podem curtir numa boa



quinta-feira, janeiro 23

Sabe qual a diferença da Puta, da Filha da Puta e da Chata?
A Puta dá pra você e pra todo mundo
A Filha da Puta dá pra todo mundo menos pra você
E a Chata só quer dar pra você


Em qual categoria você se encaixa?

segunda-feira, janeiro 20

- Mamãe, quero colo...
- Agora não posso Bia, a mamãe tá fazendo comida, quando eu terminar eu te pego
Depois de um tempão:
- Mamãe você vai demorar?
Olho para trás e eu vejo a Bia sentada na cadeira da cozinha. Nesse "tempão" ela ficou ali, sentadinha, com a chupeta na boca e a carinha mais linda do mundo, esperando o tal colo prometido, do qual, claro, eu tinha me esquecido completamente. Me senti um monstro!
Já me senti um monstro em diversas situações como mãe, como por exemplo, quando dei a primeira, única e última chinelada na Bia. Foi por cima da fraldinha, de leve, mas a atitude rendeu uma hora de choro. Pensei: Qual a diferença entre eu e uma mãe que espanca? A quantidade de pancadas ou a intensidade da dor?
Me senti um monstro quando, por algum motivo, eu simplesmente menti pra ela, sem pensar e sem necessidade, quando dei um grito, quando não dei atenção quando solicitada e por aí vai...
Não é fácil criar um ser humano, educar uma criança, e ninguém nunca disse que seria. E sempre tem o caminho mais fácil e imediato. O da mãe repressora, a resposta é instantânea, uma palmada e uma obediência, mas o caminho da mãe construtivista é árduo, requer paciência de monge e uma disponibilidade que geralmente não temos. É muito mais fácil dar uma palmada ou uma resposta qualquer, do que explicar, explicar e explicar incansavelmente os "porquês" da vida.
Mas também não quer dizer que tem que ser "a boazinha", "a mais legal" sempre, tem que se ter autoridade sem ser autoritária, tem que dar limites sem ser repressora..., pois é..., é duro.
Hoje em dia, é claro, a Bia, como qualquer outra criança, tem os seus "pitis", mas converso muito com ela, explico quantas vezes forem necessárias e ás vezes, muitas vezes, não é o suficiente, estou aprendendo a ser Jó, mas quando decido que é não, é não mesmo, não engano, não minto e assumo a responsabilidade e as consequências (leia-se birras homéricas) dessa verdade. Erro muito ainda, mas ser mãe não é um eterno aprendizado?
Não sou a mãe fada-madrinha-da-Cinderela mas, com certeza, também não sou a madastra-da-Branca-de-Neve.

domingo, janeiro 19

Já tomei "pau" pela milhionésima vez, o duro que o garotinho só tem 9 anos!